Monumento Nacional do Holocausto projetado pelo Studio Libeskind é inaugurado em Ottawa, Canadá

Libeskind mais uma vez faz um monumento em memória ao holocausto dos judeus, desta vez em Ottawa no Canadá, a forma continua sendo da estrela de Davi, o símbolo visual do holocausto composto por seis volumes triangulares e de concretos com paredes entortadas. A estrela de Davi só se tornou um símbolo conhecido nos últimos três séculos e se tornou famosa com o nazismo, quando milhões de  judeus foram obrigados a usar a imagem de uma estrela de seis pontas na roupa para identificá-los como judeus, excluí-los da humanidade e marcá-los para o extermínio. Depois da Segunda Guerra Mundial, esse símbolo de discriminação foi invertido e usado como sinal de orgulho e patriotismo judeu. Quando o país de Israel foi formado, a estrela de Davi foi colocada na sua  bandeira.

“O Canadá sustentou os valores democráticos fundamentais das pessoas, independentemente da raça, classe ou credo, e esse monumento nacional é a expressão desses princípios e do futuro”, disse Libeskind.

 Um dos volumes mais altos do memorial do Canadá , é o Sky Void que possui paredes de quatro metros de altura e é fechado em três lados, deixando um pequeno espaço para entrar, este espaço é chamado por Chama da lembrança e molda uma visão do céu.

 Fotografias monocromaticas  em grande escala de Edward Burtynsky  em versões detalhadas do Holocausto, mostram os  campos de extermínio e campos de morte foram pintadas nos muros de concreto em espaços triangulares. Estes murais evocativos visam transportar o visitante e criar outra dimensionalidade para os espaços interiores de paredes canteadas e corredores de labirinto.

 “Este monumento não só cria um espaço público muito importante para a lembrança daqueles que foram assassinados no Holocausto, mas também é um constante lembrete de que o mundo de hoje está ameaçado pelo antissemitismo, pelo racismo e pelo fanatismo.

Um pouco sobre a vida de Libeskind:

Filho de família judia sobreviventes do holocausto, nasceu em 1946, na Polônia. Foi alvo de muitas agressões pois sua família não fazia parte do Partido Comunista. Em 1957 imigraram para Israel, onde Daniel começou a estudar música e a se apresentar em concertos. Pouco tempo depois mudaram-se para os Estados Unidos e, em 1965, Libeskind se tornou um cidadão americano.

Passou a estudar arquitetura se formando em 1972  e fez pós graduação na Inglaterra, hoje  vive em Berlin com Nina sua esposa e três filhos.

Museu Judaico de Berlim / Daniel Libenskind

Desde estudante me apaixonei pela exuberância da arte de Libeskind, a 1ª obra que vi  foi o museu do Holocausto em Berlim,  com ângulos e geometrias que se interceptam, fragmentos  e vazios que representam o vácuo deixado pela destruição da vida dos judeus.

A planta baixa é uma estrela de Davi partida ao meio, a forma e a disposição das galerias  longas e estreitas com pisos inclinados, curvas, ziguezagues,  dão a sensação de deslocamento e consequente perda, representando o sentimento do povo desorientado, perseguido sendo exterminado. 

 “Criar prédios que fazem sentido no espaço que ocupam e que estimulam a interação entre as pessoas. As minhas obras têm um papel ético na cidade em que estão.” Libeskind

 

 

 

Fontes

http://www.archdaily.com.br/br/881084/monumento-nacional-do-holocausto-projetado-pelo-studio-libeskind-e-inaugurado-em-ottawa-canada?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil