O CUBO Rubik foi projetado pelo escultor húngaro e arquiteto Erno Rubik com a intenção de ajudar a explicar a geometria 3D e acabou criando o brinquedo mais vendido no mundo. Com seis cores em 54 cubos pequenos ele é manuseado facilmente. A idéia do quebra-cabeça é embaralhar as cores, torcendo o cubo aleatoriamente para em seguida reorganizá-las em blocos sólidos de cor. Desde o seu lançamento internacional em 1980, estima-se que foram vendidos mais de 350 milhões de cubos. Aproximadamente uma a cada sete pessoas já brincaram com o quebra-cabeça. Este pequeno cubo de seis cores passou a representar uma década. Ele apareceu em obras de arte, vídeos famosos, filmes de Hollywood e até teve o seu próprio programa de TV, ele representava tanto genialidade quanto confusão, deu início a um novo esporte (speedcubing), e já até foi para o espaço.

A beleza do Cubo de Rubik é que quando você vê um embaralhado, você sabe o que exatamente precisa fazer, sem alguma instrução. Porém, sem instrução é quase impossível de se resolver, fazendo com que ele seja umas das invenções mais frustantes e viciantes já produzidas.

O apelo universal do projeto tem influenciado outros campos como a arquitetura: a Stadtbibliothek stuttgart  pelo arquiteto Eun Young Yi (Yi architects)assemelha-se a um grande cubo de Rubik de duas toneladas.

Como descrito na ficha do trabalho, a palavra-chave desse edifício é simetria. Outra característica muito marcante é a ausência de cor na construção, deixando que o destaque do prédio sejam os livros e as pessoas. Por esses aspectos, achei importante publicar aqui duas fotos do prédio real, para salientar a beleza dessa combinação.

Tudo torna o edifício totalmente diferente das demais bibliotecas espalhadas pelo mundo. O prédio tem formato de um cubo, com onze andares – sendo dois subterrâneos.

 

Fonte: Artigo Archdaily

Fonte: rubiks.com